22.4.06

Peça: 25. Uma Primeira Lembrança


- para o velho Mut

Hoje algumas de minhas primeiras lembranças me afligem e me alegram brevemente, como toda lembrança.

Relembro a imagem de Deus ao tocar meu ombro e dizer, quando adormecia o dia: "descansa, Adão, descansa".
______________________________
A foto, como já se sabe, é detalhe da Criação de Adão, de Michelanguelo

33 comentários:

Mut disse...

HEheheh... brincar de personagem da bíblia é divertido. Apesar das minhas opiniões sobre ela... :D. Fico muito agradecido pelo presente em um post tão ... sei lá , eu adorei porra!

Um abraço!

Theo G. Alves disse...

mut, meu velho, é isso mesmo...
é sempre bom bater papo contigo...
um abraço!

Liliane de Paula disse...

Theo, gostei de me lembrar do quadro Michelangelo.
Liliane

Theo G. Alves disse...

liliane,
fico contente q esta lembrança tenha sido agradavel...
beijo!

claudio boczon disse...

bonito isso, das lembranças de Adão que, por tortas vias são as nossas.

Theo G. Alves disse...

boczon, meu caro, bonito é o seu trabalho!!
um abraço!!

Marilena disse...

meu querido théo, como é preciso que descansemos ... e tocados por Deus, então, é um descanso soberbo, imprescindível, que não há lembrança, por aflitiva que seja, que não sucumba a ele ...beijo grande ... e bom descanso...boa semana...

Moacy disse...

Meu caro, como já se disse (parece-me que foi Harold Bloom, mas no momento não tenho certeza), Deus é o maior PERSONAGEM de ficção criado pelo ser humano. E você, em poucas palavras, foi envolvido por esse personagem. Um abraço.

Theo G. Alves disse...

Moacy, meu querido amigo,
Deus é desses personagens que muito me agradam, como Riobaldo, como Ménalque e Arturo Bandini...
acho que nossa distância (entre mim e Deus) me permite apreciar melhor Seus trabalhos :D

um grande abraço!!
é sempre ótimo tê-lo por aqui!!

marcos pardim disse...

aflige-me presumir que o descanço nunca veio (virá?); alegra-me intuir que foi eva quem não me deixou-deixa descançar (rsrs). cum deus, velho. grande abraço.

Márcia disse...

uau! preciso. preciso.
um beijo grande, theo.

Liliane de Paula disse...

Theo, ainda vou saber de seus filmes, livros e músicas preferidos.
Liliane

Liliane de Paula disse...

Theo, que historia de cavaleiro da triste figura. Nada disso.
Liliane

Theo G. Alves disse...

marcos, meu bom amigo,
se é eva que não te deixa descansar, não descanse, irmão... será por uma boa causa :)
um grande abraço, meu velho. grande mesmo.


márcia,
tão bom tê-la por aqui.
beijo muito grande!!


liliane,
será um prazer a este inevitável cavaleiro da triste figura te dizer do que gosta, do que vê e ouve...
um beijo!

Milton disse...

É curioso como tu te dás bem quando relembras teu passado, ou nosso passado, ou nosso passado comum ou o passado de todos.

Apesar de Deus nunca ter me dito nada, preciso descansar.

Abraço.

Gloria disse...

Meu caro Theo, qta saudade de te ler, de te ver...passei esses dias sem internet, sem C.Novos...atarantada com o mal/bem/dito tempo. Voltarei com calma p/ apreciar bem teus escritos. Abraço grande!!!!!

eupontoshow@hotmail.com disse...

Que texto lindo!Parabens cara!
Guimel

Anne disse...

Lembranças... passado presente.
Adoro passar por aqui e me deliciar com uma peça nova.
Bjo grande.

Theo G. Alves disse...

milton,
deus também não fala comigo, senão quando o obrigo. não o culpo: minha falta de fé é um bom motivo para Seu silêncio. será?
assim, milton, meu querido amigo: precisamos descansar, ainda que Deus nada nos diga.
Grande abraço!!


Gloria, menina sumida,
que passa? por onde andas? sumiste mais que eu... venha, venha ler-me, ver-me.
Beijo grande!!


Guimel,
muito obrigado!
abraço!


anne,
venha sempre. você é sempre bem binda a estas paragens.
beijo grande!!!

Marco Santos disse...

Ahhhhh...Essa imagem era o descanso de tela do meu primeiro computador!
Você manda bem nos curtinhos.
Muito legal. Tenha um ótimo final de semana!

Marcela disse...

Descansa Theo, descansa... porque a vida é breve e o trabalho arduo. Mas descansa na medida exata necessária pra deixar uma segunda... uma terceira... uma quarta... quantas lembraças puderes pra nós aqui... que aguardamos por ti, sempre e sempre.

Beijos

Ivã Coelho disse...

Criador e criatura. Como você e seus escritos. Beleza e esplendor.

Abçs

Theo G. Alves disse...

Marco, meu caro,
muito obrigado. e tinhas então um belo protetor de tela. e agora, qual será ele? fiquei curioso.

Marcela querida,
esta sendo dificil descansar. há tanto a fazer. mas tenho tentado. mais que isso, tenho precisado. até para poder voltar a ter lembranças.
Grnade beijo!!


Ivã,
gentileza de suas palavras. Sou um criador tão efêmero quanto a criatura que sou.
Um grande abraço!!

camilo disse...

Theo e Deus são, etimologicamente, iguais; talvez, por isso, as lembranças.
abraço meu.

Theo G. Alves disse...

camilo,
lembranças que todos compartilhamos...
um enorme abraço!!

Glória disse...

Além daqui, tenho te lido no Jornal do Seridó, bela coluna meu caro; é sempre um prazer visitar os teus escritos ainda que sejam sobre um assunto que não conheço quase nada (se é que conheço sobre algum...)como a música neste último artigo, gostei mto. Tuas palavras sempre interessantes e cheias de benéficas informações. Em outra encarnação(existe????)entenderei mto sobre o assunto, nessa já desisti...rsrsrsrsr
Beijo enooooooooorme, cheio de saudade!!!!!!!!
PS1: Andei por São Luís(MA)e por meandros...(lembra Euclides!!!)que não podem ser nomeados e essa internet que sempre dá problemas, não me deixa visitá-lo qdo quero.
PS2: Dê um jeito de aparecer no III Colóquio(UFRN), estarei lá (noite).

Theo G. Alves disse...

Glorinha,
quem andará mais sumido: vc ou eu?? :)

Ah! os textos do jornal, glorinha, glorinha... tenho escrito efemeridades, fico ate sem jeito q andes a lê-los. muita vez sinto alguma vergonha: assuntos mundanos :)
mas pelo ultimo tenho carinho especial, afinal sempre me agrada falar de musica...
fico mesmo contente é q nao te canses de minha parva escritura e andes sempre a ler este amigo de palavra opaca... me motiva!
O motivo de teu sumiço parece bom, afinal viajar é sempre uma otima razao pra se estar longe... tenho sentido vontade de viajar também... mas sei q nao acontecerá por um tempo: na verdade, minha alma de dean moriarty, de arturo bandini, sempre me quer no mundo, mas o mundo nao parecer me querer muito nele... imagino que tenham sido otimos os teus dias por lá! fico mais contente ainda...
quanto ao colóquio, nem estava sabendo... mas vou ver se apareço sim: sempre uma otima oportunidade de rever gente que tanto gosto, como vc!
um grande beijo, caríssima glorinha... um grande beijo!

Liliane de Paula disse...

Que aconteceu Theo? Deixou de escrever?
Liliane

Theo G. Alves disse...

liliane,
escrever é um destes maus hábitos que não se deixa nunca.
mas eu gosto mesmo dos silêncios, gosto de não escrever... e é isso: este museu é feito mais de silêncios que de presenças...
também que se diga: o excesso de trabalho me distancia ainda mais da escritura...
beijo!

Marilena disse...

querido théo, ainda que o silêncio desse museo seja uma presença marcante e respeitada; ainda que seu trabalho, que o distancia comumente daqui, também o seja, devo lhe confessar que sua palavra faz falta, muita falta mesmo porque nos deixa órfãos de beleza e de afago ... beijo grande.

Edilson Pantoja disse...

E a serpente, veio nessa mesma noite?
Abraços de Belém!

Theo G. Alves disse...

Marilena,
são tão carinhosas as tuas palavras que saio deste ostracismo ligeiro (que eu deveria chamar de "ostrismo" mesmo) para republicar uma peça antiga.
Suas palavras, Marilena, me fazem querer escrever de novo. Me levam a pensar poesia. E prometo a mim, a ti, a nós, que o farei em breve. Direi qualquer coisa, mas escreverei de alguma forma.
Eu é que recebo afagos, Marilena.
Muitíssimo obrigado!
Beijo!!


Edilson,
na verdade a serpente já estava lá e dormia como uma criança má que se fatiga durante o dia e queda tênue durante a noite.
Um abraço de Currais Novos!

Anônimo disse...

Oi, Theo, consegui finalmente entrar em sua casa. Parabéns pelo belíssimo museu. Gostei muito do poema demiúrgico. Um abraço, Eme Gomes