11.12.06

mais uma peça em nome, sem rosto para este museu em ruínas.

é tarde
há silêncios por toda a casa
tudo está velho
e branco
como um buraco
no tempo
deserto

13 comentários:

Mulher na Janela disse...

poema de theo. sem comentários. aliás, que eu diga o mínimo: belo.
theo, seu certificado do concurso está com wescley, viu? foi legal por lá, o pessoal te perguntou, cefas, tácito...
abraço,
iara

Mut disse...

Isso foi um comentário a respeito desse ano que acaba ou estou sendo influenciado pelas nossas conversas?

Abração!

Glória disse...

Faço eco as palavras de Iara, sem comentários p/ os dois poemas, são belíssimos e profundos, características da tua escrita inigualável. Que bom que voltaste a postar. Abraço e beijo da Serra!!!

PS: Postei Gide p/ ti lá no Receptaculum há alguns dias...

Edilson Pantoja disse...

Olá, Théo, poema belíssimo, embora triste, porque verossímil. Abraço!

fernando cals disse...

Oi, Théo,
Poemas lindos, como sempre!
E os meus votos de um Feliz Natal, 2007 cheio de bons augúrios, muita Paz, Saude e Felicidade.
Abração
fernando cals

marcos pardim disse...

theo, por aqui se faz manhã agora. eu, um museu de emoções e vivências tão antigas que até já caíram no desmaio do tempo, passo por aqui pra te deixar um abraço. tudo de bão procê, meu véio. cum deus.

Marilena disse...

lindo poema, ainda que triste. abraço.

Marco Santos disse...

Grande Theo,
A elegância e o talento de sempre...
Vim te desejar um Natal maravilhoso e um 2007 repleto de grandes maravilhas pra você e família.
Um forte abraço.

Mut disse...

Eu ouvi esse tal de gular orkestar. Cara , muito alternativo pra minha cuca... :(

Como era mesmo nome do cara que tu me indicou hoje?

Abração!

Moacy disse...

Só agora vejo que você voltou a atualizar seu belo blogue, meu caro. E vejo em boa hora: a hora de lhe desejar um EXCEPCIONAL 2007. Abração.

Milton Ribeiro disse...

Volta, rapaz. Precisamos de ti!

Feliz 2007, cheio de amores, dinheiro e saúde.

CeciLia disse...

Belo poema, Theo. Que 2007 abençoe este museu.

Claudinha ੴ disse...

Theo, seu poema traduziu minha saudade dos Natais antigos, ficou um grande buraco por causa dos que já se foram...
Mas... a vida continua!

Que seu Natal tenha sido de paz e amor e que 2010 seja maravilhoso para você e sua família! Um beijo!