20.8.09

Peça: 56. Uma Memória do Futuro Antigo

mateus, 9:29.

– então ele tocou-lhes nos olhos, dizendo: seja-vos feito segundo vossa fé.


ao fim da tarde, displicência de sol-posto, minha avó olhava o tempo e pregava:

“relampejando...”

lacônica, não era a mim que falava, mas a si mesma. continuava:

“bonito. daqui uns dias, vai chover...”

e eu pensava na beleza de um dia de chuva, na beleza maior de um dia de chuva. eu acreditava.depois de uns dias, às vezes dois ou três, outras vezes duzentos ou trezentos, chovia. sob o sorriso de minha avó, lacônica, dizendo:

“eu sabia...”

minha fé nunca precisou de mais que isso.

13.8.09

Peça: 55. De Um LIvro À Estante


Com certa tristeza devolvo à estante um livro do José Gomes Ferreira, cuja poesia humana e viril faz conforto a quem sou, a quem creio ser.

Com certa tristeza devolvo à estante o livro do Zé Gomes, a quem reencontrarei (o livro, por óbvio, não o Zé) sempre de passagem e brevemente, como quem reencontra um amigo de longo tempo em uma esquina currais-novense e que se não pode demorar porque a velocidade do dia não lhe permite viver decentemente.

E como a este amigo reencontrado, direi distraidamente: não percebera o quanto senti saudades suas. E voltarei a andar, pelas ruas ou pelas estantes-livrarias-bibliotecas, apressadamente, mas com o coração cheio e reanimado.
_____________________________
E se não é a cara do Zé Gomes aí na foto!

5.8.09

Peça: 54. Duas Estórias

pacto

- ofereço minha alma a ti, senhor das moscas, pai de todo o mal, em troca de toda fortuna que um homem pode ter.

- infelizmente sua proposta não foi aceita. nesses tempos de crise, meu caro, temos de ser muito seletivos com nossos novos negócios.



heideggeriano


- para o Thiago, depois de uma boa conversa sobre criação e silêncio


Angustiado, empunhou o telefone. Ela atendeu. Ele não disse nada. O telefone mudo, assim como seu coração.
___________________________________
Essas estorietas foram publicadas no Pequenitudes e agora são parte de minha quarta-feira adoentada e modorrenta.
O quadro é "Agonia", do Schiele