30.7.09

Peça: 53. O insone

A caneca quase transbordava de um café frio e amargo. Não dormiria outra vez, como já não dormia há anos: sem sherazades, sem grandes aventuras. Insone, reconstruindo a memória de seus dias, nada mais. E assim seria, será. Até sua última noite, que talvez não chegue jamais.

28.7.09

Blog de Ouro


Recebi de Miss Eme, do Espartilho de Eme, a honraria de ter o Museu como Blog de Ouro.


E obedecendo as regras da premiação, lá vai:

1. Exiba a imagem do selo “Blog de Ouro”;

2. Poste o link do blog de quem te indicou;

3. Indique 4 blogs de sua preferência;

4. Avise seus indicados;

5. Publique as regras;

6. Confira se os blogs indicados repassaram o selo.


Os meus indicados são:





24.7.09

EXPOSIÇÕES NO MUSEU: Antony & The Johnsons: The Crying Light


Em meio a tantas sensaborias, ouvir a música autoral e dramática de Antony & The Johnsons é algo de que não nos devemos privar. Há quem ache sua carga dramática excessiva, há quem ache que sua música é sublime. Particularmente, sinto a música de A&J como um retrato dos que não conseguem se perceber num mundo confuso e caótico que, paradoxalmente, requer regras de conduta e receitas de fácil execução para tudo.


Em seu novo disco, The Crying Light, A&J há esperança, medo e beleza a cada acorde. Não é possível tirar os ouvidos e atenções mais demoradas da voz de Antony, sentir nela a presença de Nina Simone e Jeff Buckley, perceber como seu dono soube trabalhá-las até que se tornassem algo novo em sua garganta. A poesia de Antony, que remete a Poe, Rimbaud e Baudelaire, é também peculiar, especialmente no que chamam hoje de nomes confusos e de pouca significância, como “pop”, “indie” ou “alternativo”.


A morte, os mortos, a infância, a esperança, o desespero a sensação de estar-se perdido, tudo compõe a poesia de Antony. O ar soturno e dramático de discos como I Am a Bird, anterior a The Crying Light, permanece, desta vez trabalhado com mais sutileza e mais “luz”: uma vela num profundo posso de horrores.


Tenho a sensação de que a música de A&J encontra-se no nível em que a melancolia e tristeza presentes foram sublimadas, transformando-as em beleza e a arte: uma tristeza que não adoece, que comove e alegra por ter se tornado mais que apenas dor.

As canções:

THE CRYING LIGHT

1. Her Eyes Are Underneath The Ground

2.Epilepsy is Dancing

3. One Dove

4. Kiss My Name

5. The Crying Light

6. Another World

7.Daylight and the Sun

8. Aeon

9. Dust and Water

10. Everglade



Kiss my name


Kiss my name
Mama in the afterglow
When the grass is green with grow
And my tears have turned to snow


I’m only a child
Born upon a grave
Dancing through the stations
Calling out my name


Oh mama kiss my name
I am trying to be sane
I’m trying to kiss my friends
And when broken, make amends


Kiss my name, the curtains white
The turtle doves embroider light
As I lie, murdered in ground
The rain compacting sodden sound
Of songs I sang the years before
When it was time to rain
Upon the coal that I became

21.7.09

Currais Novos vista de longe

Sempre acreditei carregar o Seridó em mim, filho pretensioso: pele, veias, músculos, intestinos. Mas se o Seridó sou eu, por que me faço tanta falta agora?