22.10.11

Peça: 66. Poema dos Dias - I

as ruas da cidade
morta
operam silêncios
como máquinas
de empilhar
xxxxxxxxxxtempo e
xxxxxxxxxxvazio

as noites
acordam os gatos
xxxxxxxxxxmecânicos
às noites
mortos
xxxxxxxxxxsilenciosos
xxxxxxxxxxcomo o ventre duro
xxxxxxxxxxde um besouro
xxxxxxxxxxxxxxxxxxx>>pedra

brota o silêncio
morto
xxxxxxxxxxdas ruas
xxxxxxxxxxmortas
xxxxxxxxxxda cidade cancerígena
xxxxxxxxxxxxxxxxx>>carcinoma
como uma flor preta
e podre
que nasce em suas/minhas
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxveias