23.10.09

Peça: 59. O Avesso da Memória

mas
não recordar o nome deste animal
que conheço?

xxxxxxxx<< a dureza de sua carne
xxxxxxxx<< a hirteza de seu pelo

mas
qual é o nome deste
animal
que conheço?

xxxxxxxx<< a ferrugem de sua mandíbula
xxxxxxxx<< a aspereza de sua ossatura

tendão
por
tendão
que devora

xxxxxxxx<< a lentidão de seu passo
xxxxxxxx<< a angústia de sua fome

sua
vítima dos intestinos
para fora:
um câncer

xxxxxxxx<< a robustez de suas patas
xxxxxxxx<< a escuridão de seus destinos

mas
não recordar o nome deste
animal
que fui?

14 comentários:

Moacy Cirne disse...

Muito bom. Como sempre.
E acabo de publicar um poema seu.
De 2007.

Um abraço.

Theo G. Alves disse...

moacy,
já dei uma passada pelo balaio hoje, mas vou voltar lá agora pra receber as honras.

fico grato, muito!

abraço!!

Thiago Leite disse...

O nome dá contorno às coisas. Perdemos o nome e a coisa nos escapa. Esquecer o nome do animal que se foi é necessário quando temos que assumir a mudança.

Na prática: há apelidos que não voltam mais.

Theo G. Alves disse...

thiago,
isso é bem verdade. e a luta contra a memória (ou o esquecimento, pois são lutas diferentes) é objeto constante na vida e na mudança.

abraço!

Arthur Dantas disse...

as vezes me deparo com outras partes de mim que ficaram esquecidas em meu armário. Voltando por aqui, passei um tempo sumido... mas estou de volta

Theo G. Alves disse...

arthur, meu caro, nao se preocupe. eu sei bem o que é sumir de vez em quando (não que me orgulhe disso) e compreendo bem a fuga dos outros.
a casa é sua. volte sempre que quiser.

um grande abraço!

Anônimo disse...

Vejo que vc está numa fase um tanto interrogativa...teus poemas sao cabos de guarda-chuva.

Clara Bianca

Theo G. Alves disse...

clara,
me parece que é mais comum ter perguntas que respostas.

:)

Marco disse...

Pior que não reconhecemos, mesmo...
Belo poema, como é hábito. Você escreve muitíssimo bem.
Bom final de semana, amigo!
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Theo G. Alves disse...

marco,
muito obrigado por sua generosidade.
divirta-se! e vamos aproveitar a vida!

abraço!!

douglas D. disse...

cirurgia de quem somos

Theo G. Alves disse...

douglas,
é isso mesmo.

Willian Pinheiro Galvão disse...

Opa Theo,

ali naquele cantinho esquecido (se é que tem um?) do Museu de Tudo insira nossa pequena contribuição para a historiografia curraisnovense - www.documentacn.blogspot.com - desde já, um abç...

Willian Pinheiro
Ribeira do Maxinaré (que os incautos falam "Currais Novos").

Mara faturi disse...

Concordo com o Douglas;) Vc disseca homem e poema de forma fantástica!
Gosto muito!
bjo