5.8.09

Peça: 54. Duas Estórias

pacto

- ofereço minha alma a ti, senhor das moscas, pai de todo o mal, em troca de toda fortuna que um homem pode ter.

- infelizmente sua proposta não foi aceita. nesses tempos de crise, meu caro, temos de ser muito seletivos com nossos novos negócios.



heideggeriano


- para o Thiago, depois de uma boa conversa sobre criação e silêncio


Angustiado, empunhou o telefone. Ela atendeu. Ele não disse nada. O telefone mudo, assim como seu coração.
___________________________________
Essas estorietas foram publicadas no Pequenitudes e agora são parte de minha quarta-feira adoentada e modorrenta.
O quadro é "Agonia", do Schiele

14 comentários:

dade amorim disse...

Lindas narrativas curtinhas e eloquentes, do jeito que o blog gosta ;)

Theo, andava com muita saudade de você. Fiquei feliz com sua visita.

Beijo e melhoras pra você - se cuide!

Theo G. Alves disse...

dade,
sempre gentilíssima... também tive saudades... na verdade ainda tenho. estava a ver sua lista de blogues, visitando-os casa a casa.

ótimo te ver por aqui!

beijo grande e obrigado!

Mulher na Janela disse...

adorei!!!
as quartas-feiras são assim mesmo...só perdem para os domingos.

vamos marcar uma data pra visita, viu?

amamos. os três. aliás, as três, vc é minoria...hehe...

beijão!

Theo G. Alves disse...

iara,
estive meio adoentado hoje... quase feneço de tanto tédio...

vamos marcar a data pro mais rápido possível: quando voces quiserem!

e acho q dia 27 estaremos aí de novo. mamãe disse q tem show do chico césar - que adoro de coração - em praça pública!

beijo procês!

Grupo Casarão de Poesia disse...

pois é, lindão! vamos marcar...
ah propósito de chico césar, veja as novidades do Casarão!
beijão!

Theo G. Alves disse...

iara,
fui la ver e quanta novidade!!!

já vai me arrumando um lugar pertinho do cara pra eu dar uma de tiete e pagar micão. vou adorar.

abraço!

Marco disse...

Grande Theo,
tenho a maior admiração por quem escreve de modo sintético. Seus dois pequenos contos tem poucas palavras, mas poderíamos varar a noite discutindo sobre suas nuanças. Eu admito e confesso que não sei escrever assim. Sou verborrágico por natureza.
Eu gostei muito do que escreveu.
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Theo G. Alves disse...

marco,
o seu comentário é feito de generosidade. você tem um jeito de escrever que é leve, divertido e fluente... eu escrevo curtinho porque tenho tendência ao silêncio. na verdade, estou ficando mais e mais silencioso com o passar dos anos. às vezes penso q vou virar o personagem do Safran Foer que ia esquecendo as palavras ao ponto de nunca mais dizer nada... :)
muito obrigado e um grande abraço!!!

Claudinha ੴ disse...

Theo,
em tempos de crise,até o senhor do mal é atingido... Gostei do seu poder de concentrar um mundo em poucas palavras. E da linguagem poética mesmo do coração emudecido...

Melhoras,
beijo.

Theo G. Alves disse...

claudinha,
obrigado pela gentileza de sempre. e essa crise atinge todo mundo mesmo, até o pobre diabo. :)

obrigado! e beijo bem grande!

Arthur Dantas disse...

adorei o 'pacto', muito bom. e as quartas feiras, acho que são irmãs do domingo e primas da segunda, pense num diazinho chato!
muito bom!

Theo G. Alves disse...

arthur,
bom vê-lo por aqui de novo. até gosto das quartas-feiras. na verdade, gosto bastante. menos dessas adoentadas. ainda estou tentando me recuperar. oxalá melhore logo.
abraço!

Mulher na Janela disse...

oxe, bicho véi, e tu não viu o que eu coloquei não? que recebi de maria josé e théo o sejo....obrigada pelo presente.
e como anda a saúde?
espero que fique bem logo...
um beijão e muita saúde pras meninas do seu coração!
até breve!

Theo G. Alves disse...

iarinha,
vi sim. só depois que vi. :D
a saúde vai aos trancos. mas vai.
beijão pra voces!